O que este (des)governo ilegítimo e impostor faz com o nosso país é algo surreal! A pior crise econômica já vivida pelas famílias brasileiras é fruto da destruição econômica produzida pelo golpe de 2016.

Para se ter uma ideia, hoje com o governo golpista um em cada cinco domicílios não tem renda fruto do trabalho (formal ou informal).

Esse fato é estarrecedor! Famílias estão sem sustento graças a um governo ilegítimo e usurpador, que para se safar de uma denúncia de cassação ofereceu R$ 15 bilhões para parlamentares de caráter no mínimo duvidoso.

Triste momento que vivemos…

Siga@robsonleite no Twitter
Acompanhe pelo Facebook
Robson Leite no Instagram

A maior crise econômica da história do país ainda pesa na estrutura de renda das famílias brasileiras. No segundo trimestre deste ano, o Brasil tinha 15,2 milhões de lares onde ninguém trabalhava, 2,8 milhões a mais do que no mesmo período de 2014 – um incremento de 22%. Isso significa que um em cada cinco domicílios (21,8% do total) não tinha renda fruto do trabalho (formal ou informal).

(…) “A crise colocou muitos chefes de família para fora do mercado de trabalho. Em muitos lares, cônjuges e filhos também foram demitidos. Membros da família tiveram que buscar emprego para recompor a renda, mas poucos conseguiram. Esse é o motivo mais provável para o resultado da pesquisa. São lares que estão agora sem renda do trabalho e que passam por um momento difícil”, diz Samuel Franco, do Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade.

De acordo com o IBGE, 2,6 milhões de pessoas perderam seus empregos entre o fim de 2014 e o segundo trimestre deste ano. Nesse período, a taxa de desemprego nacional passou de 6,5% para os atuais 13% da força de trabalho. O país tinha 13,5 milhões de pessoas desempregadas no segundo trimestre, mais do que o dobro apurado pelo instituto nos três últimos meses de 2014 (6,4 milhões).

No entanto, o número total de pessoas sem renda do trabalho é maior, porque há aqueles que apesar de estarem sem emprego não estão sequer procurando e ainda aqueles que vivem de outras rendas, incluindo aí os aposentados e pensionistas; além daqueles que recebem benefícios de programas de transferência de renda. Segundo o IBGE, o país tinha 64 milhões de pessoas fora da força de trabalho no segundo trimestre.

(…) a crise foi mais cruel para as famílias mais pobres. No segundo trimestre, não havia ninguém empregado em 12% dos lares em que o chefe de família cursou o ensino superior (1,4 ponto percentual a mais que o verificado no segundo trimestre de 2014). Quando o chefe de família tem o ensino fundamental incompleto, a proporção era de 32% (cinco pontos acima de 2014). (…)

Veja a matéria completa em: https://www.conversaafiada.com.br/economia/em-22-das-familias-ninguem-tem-trabalho

Fonte: Conversa Afiada

Comments

comments