Triste, mas essa é a dura realidade de uma Prefeitura que prometeu na campanha “cuidar das pessoas”. Resta saber “que pessoas”, pois até agora a única briga que o Prefeito comprou foi com o STF para poder nomear o filho como secretário. A população que precisa das clínicas da família? Esquece. Essa aí não é prioridade na gestão Crivella.

Siga@robsonleite no Twitter
Acompanhe pelo Facebook
Robson Leite no Instagram

Inspirada a trabalhar como agente comunitária de saúde do município do Rio de Janeiro, a técnica de enfermagem Raylana de Alcântara de Miranda, 25 anos, chegava a caminhar quatro quilômetros até o Centro Municipal de Saúde Cesário de Melo, na comunidade do Cesarão, no bairro de Santa Cruz, zona oeste da cidade.

“Quis trabalhar com isso para poder ajudar as pessoas. Queria poder levar informações e saúde para a população de Santa Cruz. Lá, muitas doenças são oportunistas e isso acontece pela falta de informação. Eu via meu trabalho como uma mão estendida para ajudar um pouco um bairro violento que é carente de serviço público e de baixo poder financeiro”, comenta.

Leia a matéria completa em: https://www.cartacapital.com.br/saude/no-rio-moradores-de-favelas-sofrem-com-colapso-na-saude

Fonte: Carta Capital

Comments

comments