Esta, sem sombra de dúvidas, é a pior campanha eleitoral dos últimos anos. Digo pior pelas táticas sujas e desonestas utilizadas pelas forças conservadoras, que envolvem mentiras, manipulações de informações e censuras, em sua grande parte guiada pela velha mídia e disfarçada de um discurso vazio de liberdade de imprensa.

Como já discutimos aqui neste blog, há uma diferença grande entre a atual liberdade de imprensa e liberdade de expressão. Defendo e acredito na liberdade de todo homem e mulher se expressarem, seja individualmente ou coletivamente, de terem espaço para falarem e serem ouvidos.

Hoje, no entanto, tal direito só existe para a os grandes monopólios de comunicação. São eles que decidem, de acordo com seus próprios interesses e não da sociedade, como qualquer empresa que visa lucro e poder, o que é relevante ou não, o que deve ser pautado ou esquecido. E quando falamos em defesa da liberdade de imprensa, estamos discutindo a liberdade desses meios, dessas empresas da comunicação, da velha mídia.

Esses grandes meios que se mobilizam na defesa da tal liberdade de imprensa, que seria atacada num futuro governo Dilma, utilizam práticas muito diferentes de seu discurso. A demissão da colunista do Estadão ilustra bem essa afirmação: quem não está com eles, que se cale.

Com hipocrisia maior ainda nos deparamos recentemente. Os mesmos que passaram as últimas semanas atacando Dilma e Lula, desesperados com uma possível regulamentação que virá no próximo governo do PT, chamando as críticas que receberam de censura, pediram judicialmente a suspensão do Jornal da CUT e da Revista da Rede Brasil Atual, dois meios alternativos de informação.

O problema? Ambos estão compromissados em desmentir as calúnias propagadas pela campanha tucana. A Central Sindical também afirmou publicamente seu apoio à candidatura de Dilma.

Aqui mesmo, neste blog, já sentimos as investidas dos censuradores demotucanos. Reproduzimos por estas páginas a matéria da revista Istoé “A onda vermelha toma conta do país”. Alguns dias depois recebemos por email um “aviso” da Coligação Novo Paraná (encabeçada pelo PSDB), para retirarmos a matéria do ar, com a ameaça de “procedimentos judiciais”. Ora, antes mesmo de uma tomada de posição dos órgãos competentes, a coligação dos conservadores já se apressou em censurar nosso conteúdo, com ameaças de punição.

É, companheiros, para a tucanada, liberdade de imprensa só para eles mesmos. Se já está assim na campanha, imaginem como seria no governo.

Comments

comments