Está tudo preparado para a 6ª Conferência da Paz no Brasil, que este ano tem como tema “Direitos Humanos e Participação Popular: Por um Limite da Propriedade da Terra”. O evento acontecerá no dia 19 de agosto, no auditório Nereu Ramos, da Câmara dos Deputados, às 9h. A Conferência refletirá sobre a concentração de terras nas mãos de poucos e como este cenário desigual reflete na questão dos Direitos Humanos, e é promovido pelas entidades que integram o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC).

Entre os convidados, estará o deputado Michel Temer; o padre Dirceu Fumagali (Comissão Pastoral da Terra – CPT); deputado Nazareno Fonteles; Iradj Eghrari (Comunidade Baha’i); Daniel Seidel (Comissão Brasileira de Justiça e Paz – CBJP); Marlon Jacinto Reis (Juiz de Direito); Luiz Bassegio (Plebiscito Popular); Marcelo Lavenère (Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral – MCCE); Gilberto Portes (Fórum Nacional pela Reforma Agrária e Justiça no Campo – FNRA); Everardo de Aguiar Lopes (assessor de Direitos Humanos do CONIC), além do secretário geral e do presidente do CONIC, reverendo Luiz Alberto Barbosa e o pastor sinodal Carlos Augusto Möller, respectivamente.

Além de chamar a atenção para a questão da terra, a iniciativa lançará, ao final do encontro, um Documento Oficial que refletirá a questão, apontando alternativas e soluções para este que é um problema crônico do país. “A concentração de terras no Brasil gera diversos problemas que apenas refletem a inoperância do Estado em lidar com a situação. A favelização das cidades, o aumento da criminalidade, a questão do trânsito caótico das grandes metrópoles, poluição atmosférica, ilhas de calor, tudo isso tem, direta ou indiretamente, relação com a questão fundiária. Ou enfrentamos esse problema, ou veremos a perpetuação de mazelas sociais como a miséria, a fome, a prostituição infantil, entre outras”, disse o reverendo Luiz Alberto Barbosa.

Para o presidente do CONIC, o direito a terra é algo divino. “A terra, como diz o Salmo 24, é de Deus. Desta forma, a 6ª Conferência da Paz visa dar subsídios para uma reflexão produtiva e eficiente acerca do tema proposto. Precisamos instrumentalizar as pessoas sobre o assunto. Posso dizer, com toda certeza, que essa é uma iniciativa que aponta mais uma vez para atuação profética do CONIC na defesa dos Direitos Humanos e na promoção de uma Cultura de Paz”, disse Carlos Möller.

Texto publicado originalmente no site da CNBB.

Comments

comments