Parabéns a OAB por estar ao lado da classe trabalhadora. 

É preciso denunciar essa reforma, que visa à destruição de direitos trabalhistas conquistados em décadas de luta social e democrática.

Eles não desistem de prejudicar a classe trabalhadora, mas nós também não desistiremos de resistir e lutar contra esse governo ilegítimo, golpista e impostor. 

Cobre dos parlamentares do seu Estado um posicionamento contrário a essa proposta! Acesse o portal da Câmara Federal (http://www2.camara.leg.br/deputados/pesquisa) e mande um email para ele. 

Só a força da pressão popular pode impedir mais esse retrocesso. 

Siga@robsonleite no Twitter
Acompanhe pelo Facebook
Robson Leite no Instagram

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, criticou na última quinta-feira (20) a proposta de reforma trabalhista contida no Projeto de Lei 6.787, em discussão na Câmara. “Aprovar uma reforma trabalhista controversa, de modo açodado, significa assumir o risco de esfacelar completamente a solidez das instituições e os direitos conquistados pela cidadania, a duras penas, nas últimas décadas”, afirmou.

Segundo ele, a proposta é ruim inclusive para os empregadores, na medida em que atingirá os trabalhadores, que formam o mercado de consumo. “Nesta perspectiva, mesmo dentro de uma visão egoísta e não solidária, a reforma trabalhista, nos termos como posta, seria um erro”, argumenta. “A democracia conta com mecanismos capazes de inibir o erro que se avizinha e que será extremamente danoso à sociedade como um todo”, diz Lamachia, defendendo um “debate cuidadoso” no Congresso.

“O Brasil carece de reformas que o tornem um país mais justo e apto para progredir, nada ganhando com leis que atraiam o retrocesso, tal como a proposta de aniquilamento da legislação trabalhista protetiva, destinada a criar subclasses de trabalhadores com poucos direitos, contratos precários e remunerações indignas”, afirma o presidente da OAB.

O projeto, acrescenta, “agride a Constituição Federal e todo o sistema normativo, em especial por representar retrocesso civilizatório, tais quais o desrespeito aos direitos adquiridos”. “Por estas razões, (a OAB) espera que o Parlamento tenha a sensibilidade de compreender o momento difícil pelo qual passa o país e os verdadeiros anseios da sociedade que lhes cabe representar.”

Fonte: Rede Brasil Atual

 

Comments

comments